Wednesday, December 09, 2015

Mar de Incertezas

Quando a palavra não puder dizer
Algo além do nada,
E o silêncio não respirar...
Quando, apesar da leveza do ar,
Sentir uma onda pesar,
Sem saber ir nem levar...
Quando os sentimentos
Atingirem o vento
Levando para longe
As rédeas do entendimento,
Não pense que é esquizofrenia
E simplesmente
Escreva uma poesia.

Quando não souber distinguir,
Na prisão da razão,
A expressão do sentir...
Sem saber a diferença
Do lamento e do engraçado,
Da bagunça e do organizado...
Não espere,
Não se desespere,
E sem entender
Contemple essa agonia.
Simplesmente
Escreva uma poesia.

Quando seu coração
Engolir seu corpo,
Quando sua língua
Relaxar morta
Tapando o seu pulmão,
Não chore,
Não esconda a emoção,
Dance a vida na viola,
Cantarola uma canção,
Emocione em coreografia
E, com o corpo,
Escreva uma poesia.

Quando enfim puder perceber
Outro entendimento da compreensão
Livre das janelas da razão...
Experimente e exercite
O contemplar
O não entender
Essa simples beleza,
O mar de incerteza
Movimento fluir
Livre natureza
Como a luz do Sol
Que é por si
E em si e silêncio
Transforme o seu sentimento
Sem sentido no tempo
No risco lamento
Da palavra macia
E simplesmente,
Escreva uma poesia.

Escrito em: 27.10.2013

Wednesday, October 28, 2015

Mágoa

Mágoa é como água
Porque o sangue
é feito d'água
arde o peito
a dor deságua
mágoa não acalma
consome o corpo
afoga a alma.


Mágoa, 2015. Nanquim sobre papel.

Tuesday, October 20, 2015

Para a Terra brilhar ainda mais

Conecto-me com a terra, deixo crescer minhas raízes e através delas entrego o que não quero mais para a terra reciclar. Recebo a energia vital no meu chakra raíz, renovo minha vitalidade, fortaleço minha sobrevivência, elevo a energia ao chakra sexual, renovo a criatividade. No plexo solar amplio o meu poder, tudo pode acontecer. No chakra cardíaco entendo que tudo só vale a pena se for por amor e assim deve ser minha comunicação, sabedoria e espiritualidade.

"Fazei-me instrumento de vossa paz".

Nada vale à pena se não for por amor. Por isso nada conseguirei através da agressividade e furia do ego, nada me acrescenta as identificações derrotistas. Tudo o que me acontece faz parte da minha jornada de aprendizado e aperfeiçoamento. Por isso não devo me envergonhar de minhas dificuldades. Devo aceitá-las como portais que me darão acesso a novas ferramentas para seguir a jornada.

Eu sou um ser de amor. Estou aqui para dar e receber amor e também para aprender a amar. Minhas dificuldades no aprendizado do amor me conduzem ao encontro comigo mesma, ao caminho que me leva ao meu próprio Ser.

Assim compreendo que tudo começa com um amor maior, um amor pelo mundo, pelo universo, pelo criador, um amor eterno. Essa é a fonte da benevolência, pois o amor humano, pessoal, relacional só pode ser forte se houver amor ao mundo. Pois não há separação real entre o Ser e o mundo. Entre cada Ser de cada pessoa e o universo, as estrelas, os planetas, as plantas, os animais, a Terra...

TEUS GRANDES AMORES JAMAIS SERÃO TEUS.

Tudo que podes ter do amor é o amor ao amar, é a energia de plantar e cultivar o amor.

Friday, October 09, 2015

O que será o tempo?

Serão as forças da terra, da água e do Sol que faz uma semente ser árvore?
Será o ar que respira o pulmão para curar o coração de um amor que se foi?
Será o alimento que faz de um menino um homem?
Ou o sonho criativo que faz de um homem um menino?
O movimento transformador?
De quanto tempo o tempo precisa para passar?


Liberdade, 2014. Nanquim s/ papel. Patricia Martins

Tuesday, August 04, 2015

O Lugar do meu Desejo



Eu passava na rua, Rio de Janeiro, bairro da Lapa, escadaria do Selaron, cada pedra, cada azulejo me reportava para um canto do mundo. Pensava no barro, no forno, o esmalte, o desenho, as mãos, o desejo, o lugar. A vontade de fazer, construir, decorar, queimar, esmaltar, pintar, o desejo de revestir uma escada colorida, com azulejos vindos do mundo todo.

Eu passava, à toa, caminhando e fotografando. De longe ouvi uma música, um choro. Violão, pandeiro, flauta, cavaquinho e bandolim, receita de samba, vibrações, pedacinho do céu, noites cariocas, santa morena... o som vinha do primeiro andar de um prédio, eu queria tanto estar lá.

Se eu realmente tivesse lá em baixo, na rua, andando e passando, eu certamente desejaria estar lá em cima, no primeiro andar daquele prédio, com aqueles músicos tocando, acompanhando, dando ritmo com as batidas no pandeiro, sim, certamente eu desejaria. Como desejou o artista Selaron revestir aquela escadaria e vê-la toda colorida, como desejaram cada um daqueles que criaram e construíram aqueles azulejos.


Felizmente, na verdade, eu não estava na rua, estava exatamente no lugar do meu desejo, ao lado do violão tocando o meu pandeiro.

Tuesday, June 30, 2015

À Terra

Carinho à Terra, 2015.
Nanquim sobre papel.


Tudo surgiu de um abraço. Fechei os olhos e senti que estava abrigada pelo meu próprio corpo, que estava abrigado por um outro corpo, que estávamos os dois envolvidos pelo sentimento do amor. Senti, porém, que o meu corpo não era meu.

Então veio a compreensão de que somos espíritos vivendo a materialidade e que o carinho que se faz ao corpo, se faz, na verdade, à terra.

Não quero aqui cair na dualidade mente-corpo ou matéria-espírito, pois a vida, como conhecemos, não permite separar essas dimensões. Apenas as separamos a título de buscar compreendê-las, no entanto, só podemos compreender a vida se pensarmos a fusão da matéria com aquilo que a anima.

Podemos pensar, mas muito mais, podemos sentir. Cada ser vive a vida de um jeito diferente e uma mesma vida é constituída de experiências diferentes. São infinitas dimensões, todas distintas e únicas. Cada ser é único e suas experiências são únicas.

Esse abraço foi único e, para mim, será inesquecível. Eu nunca tinha sentido um abraço dessa forma e, provavelmente, essa experiência mudou o modo que eu percebo o ato de abraçar.

Todo ser vivo um dia morre e aqui na terra deixa o seu corpo. Isso é tudo o que podemos perceber nesse mundo. O que acontece ao espírito ou se há outros mundos aqui não podemos saber. Então, se aqui isso é tudo o que sabemos, deixemos à terra corpos acarinhados, abraçados, inscritos e impressos de amor e carícias.

Monday, June 08, 2015

Coração Floresta


O teu coração é floresta
É mata fechada ribeira
Rastejo e me perco no mato
Mergulho no rio em viagem
Olho no espelho na margem
E vejo a tua imagem

É mata sem caminho
É trilha sem chegada
É noite enluarada
Estrelas ao luar

O teu coração é um pássaro
Que é livre dentro de ti
De canto grave macio
Habita o topo da árvore
É belo feito miragem
Rege a orquestra selvagem

Raízes se abraçam
Firmam o chão
Buscam o alimento
Do teu coração

A vida que bate em teu peito
É força que pulsa em amor
É ninho de passarinho
É onça no meu caminho
Do lobo é o carinho

A mata que me abrigou.

Wednesday, June 03, 2015

Tuesday, May 26, 2015

Dois lados



Água corre
Corta o vale
Molha a pedra
Mora o peixe
Canta corrente
Pulso da nascente

Num lado bate Sol
No outro sombra e frio
Um de frente para o outro
Os dois lados de um rio

Entre os dois lados
A água passa
Ao mesmo tempo
Une e separa

A luz que chega
Projeta a sombra
No rio se deita
E outro lado encontra

Pelas pedras
Fazem seus caminhos
Os dois lados, separados
Nunca estão sozinhos

Acompanham um ao outro
Nas curvas que o rio faz
Trocam sementes os dois lados
Através dos animais.

Um dia uma ponte
Alguém construiu
Deram-se então as mãos
Os dois lados desse rio

Essa ponte um dia
Nós dois atravessamos
Como os lados desse rio
Nós um dia nos amamos

Corre rio
Sopra vento
Canta água
Mata dança
Nosso amor
Vive e morre
Sempre cresce
Nunca cansa.

Friday, April 10, 2015

Saudade

Espera, 2015. Aquarela s/ papel. Patricia Martins




Saudade é palavra
que quando cala
ainda fala.

Thursday, April 02, 2015

Sutilezas



De onde vêm as palavras?
Como brotam as ações?
Onde nascem as lágrimas?
(que formam os rios nos corações).

Sutilezas são palavras caladas
Sentimentos ignorados

Que derretem sólidos
E entopem o ralo
.
É a dor que não se vê
Que sofre sem doer
O fantasma que mata calado
Retornando o agora

Que vem do passado.

Terreno solene sereno
Caminho minado sozinho
Rosa, pétala, pena, passarinho
Sutileza é certeza leve
Tão leve que não se percebe.

Tuesday, March 31, 2015

Sunday, March 29, 2015

Inocência

Imagem: https://www.facebook.com/mariana.kuroyama?fref=ts

Quero te dar a liberdade da inocência
Porque ser livre é como estar em silêncio
Sentar numa pedra, observar a montanha
E a moça que sobe e desce
Carregando o seu coração

Quero ser livre com os pássaros
Não precisam de roupa
E podem voar
Voam juntos em bando
Não usam palavras
E sabem cantar

Olha lá como é lindo
A moça que cura o seu coração
Desce a montanha cantarolando
Com esperança de um dia
O amor encontrar

Talvez os seus olhos não vejam
Seus ouvidos não ouçam
Mas seu coração vai sentir

Quando isso acontecer
Deverá saber esquecer
Tudo que sabes,
Tudo que viu, ouviu e viveu
Quero te ensinar sobre a inocência
A liberdade que fala em silêncio

Thursday, February 19, 2015

Jacob



Já começou
Já descobri
Já comecei a sorrir...

Já cobri com manto
Do amor meu ser
Já sou puro encanto
Jacob vai nascer...

Sinto em mim agora
Que recomeça a vida
Sinto em tua chegada
O avesso da partida

Penso em teus olhos
O brilho do amor
De um menino doce
Que levo aonde eu for

Peço que a vida seja bela
E seja feita pra brincar
Que tu vejas da janela
A natureza para amar

Seus sonhos sejam coloridos
Seu sono seja só de paz
O seu sorriso de menino
A alegria dos seus pais

Tuesday, February 10, 2015

Amor


O amor é amor na caixa, na estante, na praça, se for amor no coração.
É olhar, é mão, é temperatura, é prosa, poema e canção.
O amor é palavra que dispensa adjetivo, é sentimento par, ímpar, totalmente subjetivo.
É atitude, obra e ação, mas não é impositivo.
O amor é sentimento perfeito que acolhe, inclusive, imperfeição e defeito.
Só pode ser vivido e compreendido, se houver amor por si mesmo.
O amor é experiência vivida, é vínculo com o mundo, é dádiva na vida.
É saber o valor de cada coisa do mundo, do que é vivo e do que não é, de cada pessoa querida e também das desconhecidas.
O amor é mais que sentimento, é força divina que nasce dentro do peito e se espalha no corpo inteiro.
É aprendizado de cada dia, é lição, é silêncio e atenção, é o caminho, a verdade e a vida, é esteio e chão.