Wednesday, January 30, 2013

Saturday, January 26, 2013

Residência Artística




Durante a 16ª Mostra de Cinema de Tiradentes estamos vivendo uma espécie de residência (e resistência) artística no atelier Arte pela Terra. Uma vivência entre amigos, onde trocamos de receitas culinárias a experiências artísticas. Vivenciamos algumas práticas da permacultura reaproveitando a água do banho, compostando o lixo orgânico, lavando e cuidando das sacolinhas plásticas, limpando e separando o lixo, comendo alguns alimentos da horta e, a todo momento, vivenciamos o significado da palavra pluralidade.

Essas trocas nos fortalecem e perpassam por nossa capacidade de servir, pois todos os artistas que estão hospedados no atelier vêm colaborando com a organização e a estrutura do espaço que em breve estará aberto ao público. Estamos unindo nossos trabalhos artísticos, realizando uma exposição de móveis feitos com reutilização de skates usados, intervindo nas ruas com os palhaços catadores de lixo e com teatro lambe-lambe, gravando um documentário sobre arte de rua, preparando performances, conversando sobre economia criativa, fazendo oficina de biografiti, celebrando e construindo ideias e planejamentos para nossos projetos futuros.

Em meio a essa convivência das artes, o diálogo se faz presente e traz temas como sustentabilidade, injustiça social, valorização da arte e economia criativa. Estamos conversando e relatando a nossa luta de sobreviver através do trabalho artístico, de como podemos valorizar o nosso trabalho para poder viver dignamente sendo um artista, um arte-educador, um pesquisador. Não temos respostas prontas, mas através das trocas e dos diálogos estamos conseguindo desenhar alguns caminhos possíveis.

Percebemos que essa discussão nos mostra o padrão de injustiça social, domínio e exploração que rege o mundo inteiro, esse esquema monopoliza e absorve tudo; a arte, o mercado, os trabalhos de cuidado e preservação da natureza e até os valores humanos. À medida que conversamos percebemos a conexão que há entre o trabalho, a arte, o dinheiro e o meio ambiente e vamos tecendo novos caminhos, novas perspectivas, pois percebemos que o universo é abundante, a natureza e nossa inventividade pode criar tudo o que precisamos. Sonhamos com uma vida de liberdade em que podemos fazer brotar da terra o nosso alimento e dos nossos corações a nossa criatividade.