Sunday, August 19, 2012

Arte-educação

Educadores
arte e reflexões pedagógicas 

Vivências de arte-educação com educadores: é fundamental na nossa formação (de educador) que possamos vivenciar as expressões artísticas, que participemos de grupos de trabalho, círculos de diálogos, vivências que nos tirem um pouco da posição central do educador para que possamos mergulhar em experiências diferentes, não comuns do cotidiano. O Educador, por ser intrinsecamente um cuidador, necessita ser cuidado, precisa de tempo para refletir, dialogar, ser ouvido e ouvir, experimentar, alongar o corpo, dançar, representar, pintar e desenhar, meditar e compartilhar. Essas vivências refletem em nosso trabalho e instigam o prazer de vivenciar a educação.



Arte-Identidade
comunitarismo e arte naif

Arte e turismo comunitário (Rede Tucum), cooperação, pró-atividade, contação de histórias, vivências participativas e uma imersão na estética da comunidade; as histórias, as lendas, a culinária, os meios e os modos de vida, a vegetação, o mapa, a cultura, as manifestações artísticas, é tanta coisa que mesmo um dia de conversa e outro dia inteiro de oficina foi pouco pra contar, mas até que produzimos um bocado e os painéis pintados pela comunidade, os produtos da oficina, farão parte do museu da comunidade do Coqueirinho em Fortim, no Ceará.

Veja mais fotos aqui





LuAzul
vivência natural e arte

Tornou-se tradição para um grupo de amigos passar o reveillon na Lagoa Azul, na Lagoa do Paraíso em Jijoca - CE. Em um dos anos a vida nos presenteou com mais dias de "folga" (do sistema) e nós (Eu e Fernanda Freire) planejamos a nossa viagem com algumas ações de arte-educação no caminho para Jijoca; ao passar na praia do Mundaú, conhecemos uma criançada na Duna e, através deles, convidamos as crianças da comunidade para fazer arte! Fizemos uma vivência super criativa! Em seguida fomos para Jijoca e vivenciamos um lindo dia lúdico com as crianças, jovens e o grupo de capoeira da Caiçara, no Espaço Multiverso.

Veja mais fotos aqui


Recriar o Mundo
"arte e criatividade para recriar o mundo"

Projeto de autoria da arte-terapeuta Helena Golabek Gandra aprovado pelo Edital de Artes Visuais da Secretaria de Cultura de Fortaleza. Nós facilitávamos as oficinas através de diversas técnicas das artes plásticas e pequenos esquetes teatrais, as crianças e jovens expressavam os seus universos e como gostariam de recriá-los, utilizando papel reciclado, tecidos, colagens com sementes e folhas secas, pinturas, dinâmicas de grupo e muita imaginação.

Veja mais fotos aqui 

 


O Laboratório de Artes Naturais
arte-educação-ambiental

Fazer arte é pesquisar, conhecer, experimentar e co-criar. O meu papel na oficina é o de fazer descobertas junto com as crianças e despertar nelas a sensibilidade. Exploramos as riquezas naturais locais e utilizamos cds com imagens e fotos, obras de vários artistas, de outras culturas e tudo mais que relacionar natureza e arte.

Saiba mais aqui  e veja mais fotos aqui


Artes Visuais para Crianças
a arte como linguagem e expressão

Oficinas desenvolvidas no projeto Crescer com Arte (da prefeitura de Fortaleza e Petrobrás) no bairro do Caça e Pesca. Através das artes visuais nós pensamos o mundo e o expressamos, experimentamos as artes, conhecemos nossos corpos, nossos movimentos, vivemos momentos em grupo, outros individuais, muito contato e inspiração na natureza, sempre com materiais ecológicos e suaves.

Veja mais fotos aqui e aqui

 


Trocas de Saberes
círculo de atividades integradas e itinerantes

Um grupo de amigos decide trocar saberes: o que um sabia ensinava para os outros e assim fizemos vivências de alongamento, skate, capoeira, arte-terapia, permacultura, recreação, fizemos oficinas de papel maché, alimentação viva, malabares, customização de roupas, visitamos instituições e praças.

Hoje essa experiência virou a Rede de Saberes: http://rededesaberes.blogspot.com/

Veja mais fotos aqui



Permacultura e Educação



O que acontece quando criamos um jardim?

“Trabalhar com a Terra e não contra Ela”, assim fala um dos preceitos éticos da Permacultura. Esta palavra surgiu da agricultura (Agricultura Permanente) e ganhou tanto sentido e abrangência que evoluiu para um conceito de cultura; Cultura Permanente. A filosofia de observar, aprender com a natureza e trabalhar de acordo com os processos naturais, potencializando os ciclos e movimentos da natureza, passou ter significado filosófico, pois tem embasamento ético; assim a Permacultura se mostra como um caminho eficiente na educação. Pois permite a vivência com a natureza numa atitude de humildade, aprendizado e responsabilidade.

Além disso, o convívio harmônico com a natureza nos re-conecta à teia da vida, da qual somos parte. Nos faz enxergar o mundo natural e conecta o nosso “elo perdido” com os ciclos naturais da água, da energia e do cosmos. Aprender com a natureza desperta a nossa intuição e torna possível a fusão entre sujeito e objeto, pois ora somos observadores, ora somos parte do todo, ora transformamos a natureza, ora somos transformados por ela.

Trabalhar assim é incorporar uma nova atitude enquanto educador. É confiar, sobretudo, no despertar das pessoas, é cooperar com a força da natureza e estar completamente aberto à experiência de aprendizado. É visceralmente ter consciência da ligação com o todo e, portanto, deixar que a natureza ensine, é estar atento! “Observar, observar, observar”! Quase silencioso para intuir nas nuances o manifestar de cada processo, de cada vivência e cada relação.

CAMINHANDO E APRENDENDO

Aqui relato a experiência de construção do “Jardim Colorido” no CSU do bairro José Walter, em Fortaleza. Atividade do PETI – Programa de Erradicação do Trabalho Infantil.
Sou arte-educadora do PETI, somos uma equipe de oito arte-educadores e uma pedagoga; nossa função é, basicamente, orientar e acompanhar o trabalho dos educadores do PETI inserindo a arte-educação no cotidiano do Programa. Nessa dinâmica de trabalho ofereci aos educadores do PETI trabalhar a educação ambiental prática. A educadora do PETI do bairro do José Walter me solicitou ajuda para transformar o espaço que fica em frente à sala do PETI e desde então venho orientando o trabalho pedagógico com a permacultura no José Walter. A metodologia está surgindo a medida que caminhamos...


O futuro jardim colorido: Espaço que teremos para trabalhar a permacultura, fica em frente à sala do PETI no Centro Social Urbano do Conjunto José Walter.

O primeiro passo foi uma oficina de planejamento lúdico: caminhamos com as crianças pelo espaço e observamos os elementos presentes, a direção do Sol, as plantas que já havia no local, o tipo de solo, a direção dos ventos, o caminho da água da chuva, os pequenos animais, os recursos disponíveis, etc.

  

Depois da caminhada de observação e de alguns questionamentos levantados, passamos para a fase de planejamento. A atividade foi fazer um desenho com o tema "Como eu gostaria de ver lugar transformado"? Os resultados foram surpreendentes! Podemos perceber a sensibilidade e a perspicácia das crianças: incluíram no planejamento a arte (pinturas nas paredes), o laser (balanços na árvore), a prosperidade (árvores frutíferas) e a espiritualidade (anjo protetor/Deus).

O PETI atende crianças no turno da manhã, que vão para a escola à tarde e atende à tarde crianças que vão à escola no turno da manhã. Assim, eu combinei com a Kelly e a Vânia, as educadoras, que sempre que eu visitasse o PETI com alguma oficina elas fariam a mesma oficina no outro turno e assim temos feito e tem sido bem produtivo.

O Segundo passo foi a confecção de um "Diário de Campo", cada criança confeccionou o seu diário reaproveitando materiais como papelão e embalagens tetrapack, e o acabamento foi feito com cartolina, cola branca e barbante de algodão, tudo personalizado, pois cada um fez a capa do seu jeito, com sua arte. Ao final de todas as atividades no "jardim" o grupo senta, conversa, anota e desenha os aprendizados do dia.

 
 





Thursday, August 16, 2012

O Laboratório de Artes Naturais

 
O que é?
 
É um laboratório de interação com o mundo natural e de experimentações artísticas. Um conjunto de vivências que se utilizam dos elementos da natureza como referência de seu estudo. Artista e natureza; ora somos sujeitos: observando, copiando, sentindo, buscando conhecer; ora somos objetos: sendo transformados pelo meio, sendo estimulados pelos padrões, cheiros e sensações provocadas pelo contato com a natureza.

O contato com a natureza e as experimentações artísticas facilitam o despertar do ser artístico e a real interação com o meio ambiente. Tanto a arte como a natureza são estímulos para o desenvolvimento da sensibilidade, da intuição e, sobretudo, do amor e admiração pelo mundo natural.

“Cultura é tudo o que é criado pelo homem. Tanto uma poesia como uma frase de saudação. A cultura consiste em recriar e não em repetir. O homem pode fazê-lo porque tem uma consciência capaz de captar o mundo e transformá-lo. Isso nos leva a uma segunda característica da relação: a conseqüência resultante da criação e recriação que assemelha o homem a Deus” (FREIRE, 1983)
Através das experiências artísticas do Laboratório de Artes Naturais e dos saberes da Alfabetização ecológica, da Educação libertadora e da Permacultura, pode-se transgredir a falsa dicotomia natureza-cultura e imprimir em nossos fazeres cotidianos o cuidado com a terra, com as plantas, os bichos, com as pessoas e todas as coisas.
Inspiração:

A natureza é o grande laboratório da vida, fonte primeira das nossas descobertas, lugar onde a arte se mistura e revela infinidades de caminhos, espaço que nos permite descobrir diversidade de formas, cores, texturas e sabedorias.

Fundamentação:


Atualmente muitos autores que abordam a questão da Estética Ambiental concordam que existem dois modelos de apreciação da natureza: o cognitivo e o imaginativo - além do conhecimento científico e ecológico a apreciação “deve incluir a emoção, o envolvimento físico com a natureza, as experiências e reações meditativas e imaginativas.” (KIVY, 2004)
Conceitos: Alfabetização Ecológica (CAPRA), Educação Libertadora (FREIRE), Arte-educação (BARBOSA), Vivências com a Natureza (CORNEL), Permacultura, Educomunicação.


Histórico?

Durante meu trabalho como instrutora da oficina de artes plásticas do projeto Crescer com Arte (março de 2007 a março de 2009) percebi que muito dos trabalhos de arte-educação realizados pelas crianças faziam referência à natureza.

O projeto localiza-se no bairro do Caça e Pesca, próximo à foz do Rio Cocó, emoldurado pelo mangue, pelo mar e pelas Dunas, onde encontramos animais, flores, folhas e frutos de todas as cores e formatos.



Com quem?

A turma era de, em média, quinze crianças, meninos e meninas com faixa etária de sete a doze anos, moradores do bairro Caça e Pesca. Eles estudavam em um turno e no outro freqüentavam o projeto.

Meninos e meninas que moravam entre o mar, as dunas e o rio, mas que também conviviam com uma série de problemas sociais e familiares. Muitos dos pais dessas crianças trabalhavam na praia vendendo côco e artesanato, como garçons em barracas de praia, construção civil e serviços domésticos.





Princípios:

Liberdade para criar: 

a oficina é chamada de “Laboratório” para que fique claro que não estamos ali para reproduzir obras de artes consideradas exemplares, mas sim para fazer experiências com pontos, linhas, formas, materiais, cores, luz, textura, movimento, espaço, mensagens e corpo. Todos nós somos cientistas na natureza e estamos prontos para aprender com ela a dar asas a nossa imaginação.





Cooperação:

Ao observar o mundo natural, seja entre os humanos ou entre os demais animais, podemos conhecer uma série de formas de convívio e sociedades, isso nos permite perceber que somos mais fortes e capazes quando estamos juntos cooperando uns com os outros. Estas descobertas estimulam o desenvolvimento afetivo das crianças entre si e para com a natureza.


Responsabilidade:

ao iniciar qualquer trabalho primeiro refletimos sobre cada material a ser utilizado, de onde vem, para onde vai e seu impacto na natureza, essa reflexão possibilita o desenvolvimento do consumo responsável e de um olhar mais consciente sobre os materiais.






Vivências:

as vivências e as aulas de campo despertam o amor pelo meio ambiente e a atitude de proteção, pois só protegemos o que amamos e o que sentimos que é nosso. Essa consciência traz o sentimento de respeito e valorização da região em que vivem, mostrando que eles são guardiões do local e, portanto, são responsáveis pela conservação de todas as riquezas naturais que ali existem.




Diversidade:

dialogar sobre a importância que cada elemento, planta ou animal desempenha na natureza, estas conversas são contextualizadas no cotidiano deles, como por exemplo, o quanto é preciso substituir as brincadeiras e gestos violentos por atitudes de amor, amizade, harmonia e cooperação, pois cada um tem sua importância no grupo e todos se fortalecem na harmonia das diferenças.




Arte:

a arte tem o poder de tocar o emocional fazendo com que a criança acredite em si e perceba seu potencial, ela se sente forte e capaz de construir um novo mundo. Ao adentrar no mundo das cores formamos grupos de pesquisa e lançamos mais uma vez o olhar na natureza a fim de verificar onde as cores estão dispostas e qual o significado energético de cada cor.


Conhecer a abstração nos leva a experimentar a liberdade da arte e criamos novos mundos, brincamos com os padrões e as cores, tudo com muita fantasia e diversão. É quando percebemos que, assim como a natureza, a arte tem infinitas possibilidades e que é um canal que podemos deixar correr os nossos sentimentos e pensamentos, é viver o momento único do criar livremente.







Natureza:

 o conhecimento dos padrões da natureza nos leva a um imenso campo de investigação das infinitas formas, observamos as semelhanças e as diferenças e percebemos a sábia arte que há em toda paisagem. As formas circular (a Lua, o Sol e a Terra), lóbulos (nossa orelha e o feijão), fractais (galhos, riachos, folhas e nossas veias), espiral (galáxia, girassol, concha e vento), hexagonal (colméias, cristais, solo rachado).

Pensar sobre os elementos da natureza faz com que tenhamos um olhar amplo sobre o equilíbrio e de como tudo é importante e tem sua função. Damos asas aos nossos sentidos e redimensionamos nossa percepção. Olhamos o mundo ao redor, os elementos, os reinos da natureza, as pessoas e a comunidade, como tudo acontece e se organiza. Também nos divertimos com o mundo encantado da floresta, do mangue e do fundo do mar, deixamos correr livre a fantasia e aprendemos o quanto é importante amar e proteger a natureza.

  
De tanto criar com a natureza passamos a  co-criar  com Ela... e juntos construímos um jardim colorido!
 
(antes e depois)

  Construção do Espaço Ecológico
– Projeto Crescer com Arte – Laboratório de Artes Naturais (Permacultura e arte)

“A verdadeira educação ambiental só acontece na vivência prática com o ambiente, descobrindo nosso impacto e nosso potencial de restauração”.

(LEGAN, 2007)
Fundamentos e Metodologia

O processo de construção do espaço ecológico fundamenta-se na alfabetização ecológica e se deu por meio das práticas da permacultura (cultura permanente) que compreende observação, conhecimento e interação com o local, a leitura dos padrões da natureza, o planejamento e a intervenção que “trabalha com a natureza e não contra ela”, a arte também esteve presente em todo processo como a principal linguagem do nosso trabalho.

Observação e Conhecimento

Fazemos passeios pela comunidade para conhecer o ecossistema do local; as plantas, os animais, o movimento do Sol, do vento, a disposição da água, as pessoas da região, assim como todos esses fatores se organizam e se relacionam.  Buscamos perceber quais plantas se dão bem no lugar, analisamos quando uma plantinha está “feliz” ou quando lhe falta água, adubo e atenção.

Pesquisamos na comunidade quem são aquelas pessoas que detém os conhecimentos de plantio de alimentos e uso das ervas medicinais. Observamos também quais são os recursos que temos na comunidade para o nosso jardim como areia, adubo, sementes, mudas, etc.

Essa pesquisa na comunidade não busca também encontrar artistas e mestres da cultura no bairro, é surpreendente conhecer o local onde vivemos e perceber a teia da vida de que fazemos parte, compreendendo a idéia de ecossistema de forma ampla, como um conjunto conectado de plantas, animais, pessoas, arte e, portanto; recursos naturais e culturais.

Planejamento

O planejamento com as crianças é feito de forma lúdica. Cada um expressa em seu desenho como gostaria de ver o espaço modificado, quais elementos da natureza e da arte podemos inserir em nosso espaço para que ele fique agradável aos olhos e ao meio ambiente.



 Fazendo o jardim

A construção do espaço ecológico foi um lindo processo: conseguimos mudas e adubo com os familiares das crianças e outras pessoas da comunidade, as crianças traziam de casa sementes e embalagens para fazermos mudas, aprendemos como adubar a terra, construímos canteiros, uma horta, um espiral de ervas, uma mini cerca viva, fizemos mudas, plantamos em jarros, confeccionamos placas e cuidávamos diariamente do nosso espaço ecológico!

Ao final tínhamos aquele lindo espaço feito por nós, onde não havia a palavra “meu”, mas sim “nosso”; um jardim colorido repleto de plantas e flores felizes que recebiam a visita das borboletas!

 

 
       Release

O Laboratório de Artes Naturais integra Vivências com a Natureza, Alfabetização Ecológica, Permacultura e Arte-educação.

Foi uma metodologia que surgiu durante o meu trabalho com as crianças do Projeto Crescer com Arte - da Prefeitura de Fortaleza em parceria com o Programa de Criança da Petrobrás - no bairro “Caça e Pesca” em Fortaleza (Ceará) – no período de março de 2007 a março de 2009.

patriciamartins360@gmail.com